cobertura-baixa-esgotos

Saneamento básico é uma das principais preocupações de qualquer país. A falta dele pode contaminar águas, alimentos e contribuir significantemente para o aumento de doenças.

No Brasil a evolução relacionada ao tema ainda é muito pequena, com o devido tratamento e destinação para apenas 45% do esgoto gerado no país, enquanto outros 55% são despejados diretamente na natureza.

Os números correspondem a um total de 100 milhões de habitantes que ainda utilizam formas alternativas para lidar com o esgoto, despejando cerca de 5.2 bilhões de metros cúbicos anualmente sem o devido tratamento, o que equivale a um total de 6 mil piscinas olímpicas.

Outro importante ponto observado na pesquisa realizada pelo Instituto Trata Brasil, é que a diferença no desempenho de grandes estados, que contam com estruturas públicas e privadas mais desenvolvidas, sofrem pouca alteração se comparada com o desempenho nacional.

Considerando a evolução apresentada nos últimos anos, seriam necessários mais de 50 anos para que todo o país tenha acesso a esse serviço essencial.

Uma das formas de contribuir com a solução do problema é realizar o tratamento de seus efluentes sanitários no ponto onde eles são gerados, reduzindo assim a carga sobre a rede pública que em muitos casos estão sobrecarregadas e demandam investimentos altíssimos para aumento de sua capacidade.

Já estão disponíveis no mercado equipamentos que realizam o tratamento dos efluentes sanitários de forma eficiente, e em muitos casos ainda permitem o reúso da água, proporcionando o retorno do investimento realizado.

Um dos exemplos são as diversas soluções Hydro Z, com capacidade de atendimento desde residências até grandes empreendimentos comerciais e indústrias.
Conheça as soluções visitando o site: http://hydroz.com.br/produtos.html